Refresque o seu browser!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
AIESPA afirma que proporciona aos estudantes oportunidade de promoção social ascendente

Artigo

AIESPA afirma que proporciona aos estudantes oportunidade de promoção social ascendente

O órgão "tem dado a conhecer as reais dificuldades de gestão nas instituições privadas de ensino superior".

Andrade Lino
29/4/2020
AIESPA afirma que proporciona aos estudantes oportunidade de promoção social ascendente
Foto por:
DR

A Associação das Instituições de Ensino Superior Privadas de Angola (AIESPA) afirmou que, de forma sistemática, tem interagido com a confederação das Associações de Estudantes do Ensino Superior Privado, como actores fundamentais do processo de formação de capital humano, proporcionando aos estudantes a oportunidade de promoção social ascendente, que, por falta de vagas, não lhes foi oferecida pelas instituições de ensino superior público, uma vez que 72% de todos os estudantes do país, matriculados neste nível de ensino, estudam em universidades e institutos superiores politécnicos privados.

A organização, que no actual contexto de crise económica, financeira e cambial "tem dado a conhecer, junto das instituições do Estado, das associações de estudantes e da opinião pública em geral, as reais dificuldades de gestão nas instituições privadas de ensino superior, segundo o comunicado que recebemos, está, desde a sua fundação, em 2010, imbuída de espírito participativo, aberto ao diálogo e comprometida com a qualidade do ensino superior, com a extensão e a investigação, tendo como alvo a inovação científica e tecnológica, indispensáveis ao desenvolvimento económico e bem-estar social, em era do conhecimento e da elevada competitividade no mercado concorrencial. 

"As instituições privadas de ensino superior, por força da Lei de Bases do Sistema de Educação (Lei 17/16, de 7 de Outubro), regem-se pelo regime de preços vigiados e o valor da fracção mensal para o pagamento da propina, que, até 2010, correspondia em média a cerca de AKZ 300.000, equivalente a USD 300,00. Sofreu, em 2020, uma desvalorização cambial de 82%, o que equivale a USD 34,00 USD, já o reajuste de 13% estabelecido pelo Decreto Executivo assinado pela Ministra das Finanças aos 17/02/20", lê-se no documento da associação, que refere então que, actualmente, a fracção mensal da propina das dessas instituições é inferior à mensalidade de algumas escolas privadas do ensino geral ou, até mesmo, de algumas creches, apesar do sistema educativo ser o mesmo.

Em algumas instituições privadas de ensino superior, que hoje, apesar do seu interesse público na política de diversificação da economia, não beneficiam ainda de qualquer política de financiamento, tal como prevê o Decreto Executivo 90/09, ainda em vigor, há mais de 30% de estudantes em situação de contencioso, por falta de pagamento regular das fracções mensais da propina. Todavia, face à sua responsabilidade social, estes estudantes não foram, nem estão impedidos de continuar a frequentar as aulas.

"O Decreto Executivo Conjunto nº 157/20 de 22 de Abril, ao aprovar o regime excepcional para o pagamento até 60% das fracções mensais da propina nas Instituições Privadas e Público-Privadas de Ensino Superior, acaba por viabilizar, durante o período em que vigorar o actual Estado de Emergência, a possibilidade de pagamento de salários aos funcionários, docentes efectivos e a grande maioria de docentes colaboradores, em exercício de funções, estes últimos remunerados de acordo com o número de aulas leccionadas. São consideradas aulas leccionadas e trabalhos académicos, em regime não presencial, todas as actividades inseridas no contexto do nº 2, do Decreto Executivo nº. 02/20 de 19 de Março do MESCTI", continua a nota, onde a direcção da AIESPA manifesta a sua grata satisfação e apoio às medidas do Executivo, "que visam minimizar o impacto negativo sobre a economia, na sociedade angolana em geral e na comunidade académica em particular, viabilizando o pagamento de salários e serviços nas Instituições Privadas do Ensino Superior, assim como o papel fundamental destas instituições no desenvolvimento de capital humano nacional".

Por outro lado, a organização afirma solidarizar-se com os profissionais da saúde, da ordem pública, da comunicação social e de outros organismos directa ou indirectamente engajados no combate à Covid-19 e no asseguramento de condições mínimas "para que possamos estar confinados nas nossas residências".

Andrade Lino
Jornalista e Fotógrafo

Amante das artes visuais e da escrita, além de jornalista e fotógrafo, Andrade Lino é também estudante do curso de Licentura em Língua Portuguesa e Comunicação na Universidade Metodista de Angola. Nos tempos livres é músico e produtor.

1
Catálogo
2
Artigos
3
multimédia
4
agenda