Refresque o seu browser!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Aprovadas propinas no ensino superior público

Artigo

Aprovadas propinas no ensino superior público

Angola conta com seis universidades públicas.

Redacção
12/5/2020
Aprovadas propinas no ensino superior público
Foto por:
DR

Os estudantes matriculados em cursos de bacharelato e licenciatura das instituições públicas do ensino superior, período regular (diurno), passam a pagar, a partir do próximo ano, propinas de 1.900 kwanzas/mês, sendo que será esta a primeira vez em que os estudantes universitários diurnos pagam mensalidades em escolas do Estado, à luz do novo Regulamento sobre Propinas, Taxas e Emolumentos nas instituições públicas de ensino superior.

Conforme o regulamento, os estudantes do ensino pós-laboral (nocturno) continuam a pagar, de propina, o actual valor de 15 mil Kwanzas.

No quadro das alterações trazidas pelo novo diploma, o Governo ajustou também os valores da inscrição para provas de exame de acesso ao ensino superior público, saindo dos actuais quatro mil, para cinco mil kwanzas por curso. A matrícula pela primeira vez estará fixada em quatro mil, enquanto a inscrição semestral passará a custar três mil kwanzas e, de igual modo, os estudantes vão pagar cinco mil kwanzas por disciplina no exame de recurso.

Segundo o Decreto Presidencial 124/20, as receitas arrecadadas com a cobrança de propinas e emolumentos vão cobrir os encargos das instituições públicas de ensino superior e a remuneração do pessoal docente, especialmente contratado, além da aquisição de meios.

"O acesso e frequência de uma formação académica ou profissional numa instituição pública de ensino superior implicam a comparticipação financeira dos estudantes, por via do pagamento de propinas e emolumentos", lê- se no documento, a que ANGOP teve acesso, que esclarece então que, em relação aos cursos de pós-graduação, o valor da propina será estabelecido pelo departamento ministerial responsável pelo sector do ensino superior, sob proposta de cada instituição.

O valor global da propina cobrada aos estudantes dos cursos de pós- graduação não deve ser superior a 40% do custo, por aluno, apurado para o funcionamento do curso, garantindo a predominância do financiamento público sobre a investigação científica e a inovação realizada nas instituições públicas do ensino superior, diz ainda o documento, adiantando que cabe aos ministérios das Finanças e do Ensino Superior proceder, anualmente, à actualização do valor dos emolumentos e propinas nas instituições públicas de ensino superior, tendo como base os critérios ligados ao custo total suportado pelo Estado, via OGE.

Trata-se, nomeadamente, de 10% do custo anual por estudante do período regular ou diurno, 60% do custo anual por estudante do período pós-laboral ou nocturno, nos cursos de graduação, e 40% do custo anual por estudante dos cursos de pós-graduação.

A propina será aplicada com base em critérios que têm a ver com a taxa anual de inflação do ano precedente e a prevista para o ano em que incide a actualização, ponderadas pelo peso da educação no Índice de Preços ao Consumidor e, em caso de incumprimento do pagamento de propina no prazo estabelecido, refere o regulamento, as instituições adoptam o não lançamento das notas do estudante, enquanto o mesmo não proceder à regularização da dívida, bem como a não emissão de qualquer diploma, certificados de notas de conclusão ou declaração com ou sem notas.

O estudante com dívida será impedido de aceder à plataforma do sistema de gestão académica da instituição. Conforme o Governo, em caso de dívida respeitante aos anos académicos anteriores, o estudante pode aderir ao plano de pagamento faseado de propinas.

Refira-se que Angola conta com seis universidades públicas: Universidade 11 de Novembro, com sede em Cabinda, cobrindo igualmente a província do Zaire; José Eduardo dos Santos (UJE), com sede no Huambo, com extensão no Bié e Moxico; Mandume, com sede na Huíla, cobrindo Namibe, Cuito Cuanavale, com sede no Cuando Cubango e cobre a Cunene; Kimpa Vita, com sede no Uíge e extensão no Cuanza  Norte; Lueji ya Ankonde, com sede na Lunda Norte, estendendo-se a Lunda Sul e Malanje;  Katiavala Buila, com sede em Benguela, cobrindo igualmente o Cuanza Sul.

Como resultado do redimensionamento, a Universidade Agostinho Neto (UAN) mantém a sua sede em Luanda, cobrindo também a província do Bengo, perfazendo sete regiões académicas criadas pelo Governo.

Redacção
Colégios de Angola

Somos um Portal de Informação sobre Ensino e Educação, focado na promoção e divulgação das melhores práticas de gestão escolar. E somos uma montra para as empresas e marcas do sector.

1
Catálogo
2
Artigos
3
multimédia
4
agenda