Refresque o seu browser!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Descubra o maravilhoso “Mundo no Ventre” de Victor Amorim Guerra  

Artigo

Descubra o maravilhoso “Mundo no Ventre” de Victor Amorim Guerra  

Ao mesmo tempo que visitamos o imaginário, lendo “O Mundo no Ventre” relembramos e honramos o passado, a nossa história...

Sebastião Vemba
4/11/2019
Descubra o maravilhoso “Mundo no Ventre” de Victor Amorim Guerra  
Foto por:
Ongoma

O “Mundo no Ventre” é o mais recente livro do escritor angolano Victor Amorim Guerra. Trata-se de uma compilação de contos para todas as idades, onde o autor nos leva a viajar por diversos mundos.

Ao mesmo tempo que visitamos o imaginário, lendo “O Mundo no Ventre” relembramos e honramos o passado, a nossa história, e reflectimos sobre a necessidade de sermos nós mesmos a escrevê-la ou reescrevê-la, com o nosso próprio esforço, guardando as nossas palavras no papel,porque essa é poderosíssima forma de afirmação pessoal, de elevação da Pátria e de não deixar apagar as memórias do passado, para que no futuro não cometamos os mesmos erros do antigamente.

E por isso, convidamos-te a ler o conto “O homem que nasceu com estrelas nos olhos”, para interpretá-lo.

“Nas margens do rio Bengo existe uma aldeia cuja memória se perdeu no tempo. Nessa aldeia vive um homem velho, muito velho, que conta uma lenda antiga. Esse homem só conhece essa lenda, nenhuma outra mais, e conta-a vezes sem conta para quem a quiser ouvir, mas sempre que a conta, diz quem a ouve, soa como se libertasse um segredo. Sempre a mesma história, mas nunca igual. Este homem aceita falar de um homem extraordinário que nasceu aqui, nas terras enormes de Angola.
Este homem velho junta os homens jovens ao redor da fogueira e conta:
-Noutro tempo, aqui, na margem deste rio, nasceu uma criança com estrelas nos olhos. A mãe, ao dar à luz, percebeu que essa criança não era só dela, que era de todos e que aquela aldeia era pequena demais para quem nasce com estrelas nos olhos.
-Estrelas nos olhos, mais velho?
-Sim, estrelas, como as que vês no céu.
-O que fez esse homem para que fosse extraordinário, para que fosse inesquecível?
-Ele foi uma criança igual às outras. Brincava como os outros, pescava e caçava como as outras crianças, mas tinha estrelas nos olhos.Um dia, pela manhã, ele acordou e foi embora, despediu-se brevemente e saiu da aldeia, de madrugada, sem olhar para trás.
Conta-se que foi à cidade grande, aquela que liga Angola ao mundo. Dizem que foi lá que aprendeu a guardar o que pensava. Aprendeu que as palavras se podem guardar em papel para serem usadas depois. Um dia,disseram-lhe que esse poder tão grande se chamava ler e escrever. Assim,percebendo isto, começou a procurar tudo o que outras pessoas guardavam em papel.
Nessa cidade descobriu que conseguia ler também o que ele e as outras pessoas guardavam escrito nos corações e, com esse poder enorme,decidiu partir. Partiu para longe, atravessou o mar. Conta-se que visitou uma terra em que as pessoas falavam ao contrário e que, apesar de não terem estrelas nos olhos, tinham o sol no cabelo. Foi a uma cidade feita de luz, uma outra onde os homens prendiam a memória dos antepassados em estátuas de pedra.Esteve em cidades mágicas, escondidas em 7 colinas.
Conheceu professores que abriram a porta da ciência e aprendeu línguas que disseram já estarem mortas. Foram muitos os anos a conhecer o mundo. As notícias dele eram raras, mas sempre chegavam notícias de novas aventuras, novos destinos. Finalmente, num mês de cacimbo, recebemos notícia de que ele se tinha revoltado.
Contam que alguém encontrou nele uma cor. Gritaram que,naquelas terras distantes, ele não era o homem com estrelas nos olhos porque tinha uma cor diferente. Disseram-lhe que não era o viajante, aquele que tinha o horizonte no coração, não era. Ele era uma cor e que nunca o mundo seria dele, nem a sua própria terra.
Nesse dia, despertou com mais mil estrelas nos olhos e decidiu revoltar-se, decidiu guardar as suas palavras em mais papel e lançar as suas ideias em gritos de poesia e quanto mais escrevia mais estrelas lhe nasciam nos olhos.
- O que é feito dele, mais velho?
- As estrelas já se soltaram dos seus olhos.
Voaram para o céu em harmonia, num dia de Setembro, numa espiral livre. Conta-se que as estrelas estão agora nos olhos de todos os jovens angolanos e, segundo a lenda, aí ficarão para sempre.”

 

1. Qual é o assunto do conto?

2. O autor refere-se a algum personagem real?  Se sim, de quem se trata?

3. O que quer dizer a expressão “estrelas nos olhos”?

4. Considerando que as estrelas agora estão nos olhos de todos os jovens angolanos, que são desafiados a aguardar as suas palavras em papel, reinventa um pequeno conto com base no texto lido e partilha-o com a tua turma e os teus amigos.

 

Saiba mais sobre o autor:

Victor Amorim Guerra é natural de Benguela. Nasceu a 8 de Novembro de 1970. É autor de “Contos do céu e da terra”, obra vencedora da edição 2012 do Prémio Sonangol de Literatura, “por reunir vários registos ficcionais, por meio de uma excelente combinação, entre a dimensão estética e a sociocultural”, segundo justificação do presidente do júri. O livro é um conjunto de contos que abordam a feitiçaria, o garimpo de diamantes no leste de Angola, assim como os hábitos e costumes nacionais.

A vida de Victor Amorim Guerra é marcada pela constante disposição de participar no desenvolvimento de Angola e dos angolanos, tanto em termos literários, como em termos sociais. O autor já foi publicado em Lisboa pela Minerva em 2013 e participou, até ao ano passado, de várias antologias. O conto “O dia em que uma mulher caiu dos céus” foi traduzido para francês e pertence a uma antologia de contos africanos.

Victor Amorim Guerra escreveu também o teatro “A Cinderela de Luanda”, com a companhia Henrique’Artes, cuja estreia aconteceu em 2014 na LAASP ( Liga Africana). Além de escritor, Victor Amorim Guerra é revisor de textos de revistas e jornais angolanos e de livros de alguns autores angolanos e portugueses.  

Sebastião Vemba
Partner e Director Editorial do Canal ONgoma

Jornalista há dez anos, Sebastião Vemba é um empreendedor na área da comunicação. Além do Colégios de Angola, é fundador do ONgoma News e do Acelera Angola. Dedica-se também às artes visuais, em particular à fotografia e ao vídeo.

1
Catálogo
2
Artigos
3
multimédia
4
agenda