Refresque o seu browser!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Estado da performance em Angola debatido em mesa redonda no Camões

Artigo

Estado da performance em Angola debatido em mesa redonda no Camões

“Faltam ainda infra-estruturas.”

Andrade Lino
13/9/2018
Estado da performance em Angola debatido em mesa redonda no Camões
Foto por:
Andrade Lino

O colectivo de artes Pés Descalços realizou, nesta terça-feira, no Camões - Centro Cultural Português, uma mesa redonda subordinada ao tema “Mapeando a recente performance angolana”, evento que decorreu  “um pouco agarrado” à exposição do artista angolano Thó Simões, “Congolândia”, inaugurada na semana passada.

Segundo Suzana Sousa, membro da organização, como o trabalho de Thó passa pela performance, e aliás, inaugurou a exposição com uma performance, que percorreu a Rua Rainha Ginga até a entrada do Camões e decorreu na sala durante algum tempo, aproveitou-se este momento para juntar artistas que trabalham em performance, nomeadamente a actriz e humorista Renata Torres, a performer brasileira Rose Mara Silva e o capoerista  e activista-cívico Cabuenha Moniz, além do próprio Thó Simões, para discutir o que está a acontecer na performance em Angola.

“Em termos de background, essa ideia surgiu do facto de nos últimos anos termos assistido a vários artistas a fazer performance, alguns a trabalharem apenas nisso mas outros a juntarem à sua linguagem artística, e no fundo nós assumimos o tema “Mapear” como o estágio embrionário dessa prática em Angola, mas embrionário em termos mais de reconhecimento do que de prática, pois é algo que já existe e tem se verificado entre nós há algum tempo, pensando nos últimos 15 anos, como parte da arte contemporânea, e não como ritual, onde podemos encontrar raízes de performatividade”, explicou a também curadora de arte, em entrevista ao ONgoma News.

Para Suzana, o que se está a fazer de performance em Angola está muito perto do que se faz em países como a Namíbia, Zimbabwe, África do Sul, com tradições muito mais próximas às nossas. Em termos de reconhecimento, disse, em Angola, talvez haja menos, mas “deve-se mais à falta de infra-estruturas do que propriamente de reconhecimento do público”.

“A performance que nós discutimos é aquela que é feita em circuitos de arte, e esses circuitos são acolhidos e baseados em infra-estruturas, como museus e centros culturais. Eu diria ainda que a nós faltam essas infra-estruturas. Por exemplo, em relação há um ano e meio, temos mais infra-estruturas, mas não temos ainda tantas que garantam uma visibilidade desse tipo de trabalho”, referiu, e explicou que, comparando a outros tipos de arte e de prática artística, a performance tem uma característica, que é a sua efemeridade.

“Há formas de fazê-la sobreviver, pela fotografia, pelo vídeo, porém essa característica exige um contexto para que possa ser acolhida. Se tivermos galerias e museus, estes poderão absorver os produtos que advêm deste momento. Contudo, estamos a caminhar e acho que de forma muito positiva nesse sentido”, acreditou a porta-voz do grupo Pés Descalços.

Questionado sobre o facto de ser a sua amostra, em parte, o centro das atenções do evento,Thó Simões revelou sentir-se honrado, uma vez que o assunto em debate é pertinente, e porque performance é um dos elementos constituintes da sua exposição.

“A minha arte associa-se à performance em todos os sentidos. Quando estou a trabalhar, já faço performance, porque sendo artista de rua, acabo por ocupar espaços e intervir directamente com o dia-a-dia. E como todas as outras disciplinas artísticas, a performance merece toda a atenção, pois a arte não é algo subdivido. A arte não tem forma. Ela é prática, movimento, sentido, interpretação, representação, por isso qualquer uma das suas modalidades tem exactamente a mesma importância que outra”, defendeu o artista plástico.

“Congolândia – Multiversos em Desencanto” é uma exposição de pintura, instalação e performance, que, segundo o autor, é uma abordagem à desconstrução, um convite a uma viagem futurista, a uma viagem cultural, ancestral, e ao mesmo tempo um convite à actualidade, sendo que, para criar o projecto, inspirou-se em linguagens artísticas, que têm subjacentes uma forte consciência e crítica social como o grafitti, que interfere e ocupa o espaço urbano, generalizado na década de 70 do século XX, mas cuja génese remonta aos primórdios da civilização. 


Andrade Lino
Jornalista e Fotógrafo

Amante das artes visuais e da escrita, além de jornalista e fotógrafo, Andrade Lino é também estudante do curso de Licentura em Língua Portuguesa e Comunicação na Universidade Metodista de Angola. Nos tempos livres é músico e produtor.

1
Catálogo
2
Artigos
3
multimédia
4
agenda