Refresque o seu browser!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
"Quem me dera ser onda" de Manuel Rui

Artigo

"Quem me dera ser onda" de Manuel Rui

Esta é uma das muitas obras de Manuel Rui. Escrito em 1982, o livro retrata uma história que decorre no período pós-independência.

Salomé Vemba
25/5/2017
"Quem me dera ser onda" de Manuel Rui
Foto por:
DR

“Quem me dera ser onda” é o título de uma das muitas obras de Manuel Rui. Escrito em 1982, o livro retrata uma história que decorre no período pós-independência.

Este é um daqueles livros que, quando começamos a ler, não conseguimos mais parar, pois foi escrito realçando alguns dos sentimentos mais puros do ser humano (companheirismo e amizade), com uma linguagem típica da nova literatura angolana, com o sentido de humor que leva o leitor a viajar num mar de alegria contagiante.

A história decorre numa zona urbana de Luanda, num dos muitos prédios até então construídos, no qual viviam famílias angolanas oriundas de zonas rurais, e era proibido a presença de animais. Mas Diogo, o chefe de uma das famílias, desobedece às regras e leva um leitão vivo ao seu apartamento a fim  de engordá-lo o suficiente para, no carnaval, a família empanturrar-se de carne.

O facto de Diogo ter desobedecido uma das regras estabelecida por todos origina diversos tramas e planos para escondê-lo dos outros moradores e do administrador do prédio (Faustino), no entanto Zeca e Ruca ( filhos de Diogo) afeiçoam-se ao animal e fazem tudo para impedir o trágico destino  que o pai tinha programado para o porco.

 “Carnaval da Vitoria” era o nome dado ao porco pelo Zeca e Ruca, pois o animal passou a ser de estimação para ambos. Era levado para passear e até tinha direito a banho.

Na história, verifica-se a alienação em dois aspectos: primeiro, as regras da vivência em sociedade são postas em causa (Diogo violou uma regra criada para o bem de todos) segundo, as limitações sobre o que é viver no prédio, pelo facto de os moradores terem saído dos musseques e com hábitos de criarem animais e terem as suas lavras e estarem confinados num espaço reduzido que são os apartamentos é forçá-los a uma realidade social para qual não estavam preparados.

Sugestão de actividades:

Depois de leres o livro, com auxílio do teu professor de Língua Portuguesa ou de Literatura, poderás trabalhar os seguintes aspectos junto com os teus colegas:

  • Contextualizar a estória do livro  na realidade actual, para tal procurar zonas urbanas onde se criam animais, como galinhas, porcos, etc. e fazer  um comentário sobre o que constatar.
  • Realizar debates sobre a importância das regras de convivência dentro das sociedades;
  • Apresentar a conclusão do debate por escrito;
  • Fazer o resumo da obra;
  • Criar contos breves com temas abordados no livro como: relação entre animais e os homens, viver em sociedade, entre outros;
  • Pesquisar a bibliografia do autor, a fim de saber mais sobre o leque de escritores angolanos e reconhecer o papel fundamental destes na educação das sociedades.

 

 

 

 

Salomé Vemba
Professora e Redatora

Formada em Pedagogia, na especialidade de Língua Portuguesa, Salomé Vemba partilha a escrita com a função de professora.

1
Catálogo
2
Artigos
3
multimédia
4
agenda